COLAB assina nota pública por critérios para a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados

Ao lado de outras entidades,o  COLAB firma documento que defende que a CDHM (Comissão de Direitos Humanos e Minorias) da Câmara dos Deputados não seja usada como moeda de troca e que seu novo presidente mantenha diálogo com a sociedade civil e respeite grupos minoritários.

Os critérios mínimos apontados pelas organizações constam em nota pública entregue a todos os deputados antes da reunião de líderes partidários que vai definir as presidências das 21 comissões temáticas da Câmara. A reunião estava marcada para esta última quinta-feira (26), mas foi adiada para a próxima semana.

direitos-humanos

Nos últimos anos, a CDHM tem sido alvo de ataques de grupos que menosprezam a defesa dos direitos humanos, como o deputado Marcos Feliciano. Notabilizado por seu discurso homófobo, ele assumiu a presidência da comissão através de acordos políticos. O Deputado Jair Bolsonaro, conhecido adversário dos direitos humanos, só não o sucedeu na presidência por apenas dois votos. O objetivo de deputados extremistas como esses tem sido exatamente o de desmoralizar a comissão e impedir que a mesma seja um canal para todos aqueles que são vítimas de ameaças e de violações de direitos humanos.

O COLAB, ao lado da sociedade civil, espera que o próximo presidente da CDHM tenha conhecimento, experiência e seriedade, de modo a fortalecer os trabalhos da comissão na defesa dos direitos humanos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *